E-mail: rafael@turbineseusite.com.br   |   Telefone: (41) 99521-8611

Suporte 24/7

Facebook tenta contornar crise enquanto usuários confiam cada vez menos na empresa
16 de novembro de 2021

As coisas já não eram boas para a empresa criada por Mark Zuckerberg, mas estão ficando piores. À medida que o Facebook tenta administrar uma enorme crise, que vai desde reclamações sobre a exposição de pessoas a problemas de saúde mental até mesmo à colocação das democracias em risco, seus usuários estão ficando cansados.

Mesmo depois do rebranding para Meta (no que parece ser uma tentativa suspeita de mudar o foco), o humor de seus usuários continua a diminuir. 

Um estudo lançado recentemente pela Harris Brand descobriu que a pontuação de confiabilidade da empresa caiu para 6,2% após o anúncio do rebranding.

Esse não é o primeiro dado sobre a falta de confiança sentida pelos usuários do Facebook. No final de outubro de 2021, a plataforma foi considerada como a rede social menos confiável pelo segundo ano consecutivo, de acordo com a Insider Intelligence e a “US Digital Trust Survey” da eMarketer. 

Enquanto o Facebook tenta conter sua crise, como profissionais de marketing e gerentes, essa preocupação deveria ser alarmante. Especialmente se sua empresa depende das plataformas Meta (Facebook, Instagram e WhatsApp) para a própria sobrevivência.

Resumindo os impactos causados pelo Facebook Papers

O vazamento dos documentos internos do Facebook resultou em discussões que se estenderam a tópicos como saúde, democracia, negócios, segurança e transparência, todos em uma variedade de setores e indústrias.

Por causa disso, o Facebook tem sido fortemente criticado pela forma como administra tópicos complexos e de impacto.

De acordo com Frances Haugen, um ex-funcionário do Facebook que chamou a atenção para muitos desses documentos, imagem e lucro são a principal prioridade do Facebook. 

O Facebook sabia dos danos que estava causando potencialmente à saúde mental e emocional de seus usuários. Até mesmo as democracias foram ameaçadas, mas a empresa ainda não fez mudanças. 

Um grande exemplo são os documentos que mostraram que o Facebook dava prioridade ao conteúdo que irritava as pessoas, pois este conteúdo criava maior envolvimento e mantinha a atenção das pessoas por períodos mais longos de tempo.

O Facebook está perdendo a base de usuários mais preciosa para uma mídia social

As crises da mídia chegam em um momento crucial para os negócios da empresa. É a perda de jovens usuários

De acordo com uma pesquisa da Piper Sendler, apenas 2% dos jovens têm o Facebook como sua mídia social favorita e apenas 27% disseram que utilizam a plataforma.

É preocupante para a empresa. Se você olhar para a história das redes sociais, desde Friendster e MySpace, os jovens não foram apenas responsáveis pela divulgação, mas também pela manutenção do status popular desses serviços.

Ao olharmos para o rápido crescimento do TikTok entre os mais jovens, é fácil entender o efeito. A mídia social é sobre conectar as pessoas. Se seus amigos não estiverem lá, você vai embora. E os jovens são o público mais engajado.

Facebook, oops, Meta tenta trazer boas notícias 

Desde que não conseguiu mostrar com sucesso o mundo cor de rosa da Meta e as possibilidades do Metaverso, a empresa está agora tentando demonstrar que está comprometida com seus usuários.

Na semana passada, pela primeira vez, “Meta” divulgou dados sobre a frequência com que as pessoas veem ameaças ou assédios em suas aplicações.

De julho a setembro, para cada 10.000 visualizações nas redes sociais da Meta, 14 a 15 visualizações no Facebook eram de conteúdo com bullying e assédio, enquanto no Instagram o número variava de 5 a 6 visualizações.

A Meta disse que retirou 9,2 milhões de mensagens consideradas de natureza de assédio no Facebook e 7,8 milhões dos mesmos tipos de mensagens no Instagram. 

Entre as principais ações para enfrentar o bullying e o assédio, a empresa está implementando telas de advertência para desencorajar posts e comentários que poderiam ser percebidos como bullying e assédio. 

Fonte: About FB

A empresa também está bloqueando anúncios baseados em áreas “sensíveis”, como raça/etnia, crenças religiosas e políticas, orientação sexual e muito mais, de acordo com um post em seu blog “Meta for Business”.

Apesar de parecer ótimo, não posso deixar de me perguntar: isto é um verdadeiro começo para realmente resolver os problemas dos usuários do Facebook com a plataforma?

Com todos os últimos acontecimentos na Meta (incluindo o chamado Metaverso), até que ponto funciona a cortina de fumaça para as controvérsias do Facebook, e qual é a possibilidade real do futuro do mercado nas mídias sociais?

E como isso afeta diretamente sua marca?

É sempre um risco deixar toda a sua estratégia apoiada apenas por plataformas de mídia social.

Estou dizendo isso porque se, de repente, você perder sua conta, o algoritmo da plataforma mudar, ou as pessoas simplesmente pararem de gostar dessa mídia social, você está acabado.

E quando se trata das plataformas de Zuckerberg, ouso dizer que é ainda mais arriscado. Este não é o primeiro escândalo envolvendo o Facebook e outros, e não será o último.

Desinformação, privacidade, moderação de conteúdo, envolvimento saudável mental e emocional dos usuários versus engajamento, tudo isso são os calcanhares de aquiles da empresa, seja Facebook, seja Meta ou qualquer outro nome que o proprietário possa querer.

Como a popularidade e a confiança no Facebook diminuem a cada dia, é difícil dizer como os usuários irão se comportar.

O que sabemos é que é praticamente impossível pensar em Marketing Digital sem incluir as redes sociais. É um dos principais lugares onde o público se reúne online, onde as pessoas conversam, fazem compras e se conectam com as marcas.

Mas também sabemos que confiar em uma única plataforma social (ou em uma única empresa, se seu foco estiver no Facebook e no Instagram), é uma jogada arriscada.

O Facebook chegou derrubando as redes sociais do passado, tais como MySpace e Orkut.

Agora, o TikTok vem ganhando força apesar dos esforços do Instagram para conter o concorrente. Quando o WhatsApp caiu com toda a rede de aplicativos do Facebook em outubro de 2021, o Telegram ganhou uns impressionantes 70 milhões de usuários

E nesta dança sem fim de redes sociais, a única empresa que pode perder aqui é a sua (se você não tiver cuidado).

Não estou dizendo que você não deve ter uma presença nas redes sociais — elas são e continuarão sendo uma boa maneira de se conectar com seu público por muito tempo ainda!

Mas pense, agora mais do que nunca, em construir seus próprios pontos de contato com seu público, sem depender de veículos de terceiros.

Pense em coletar dados de primeiros contatos. Você pode ter uma estratégia sólida de e-mail marketing, por exemplo. Assim, você pode interagir diretamente com seu público, sem depender apenas de plataformas terceirizadas.  

Diversificar seu conteúdo e apostar em suas próprias estratégias ainda é a melhor maneira de se proteger da volatilidade das mídias sociais e construir uma base sólida de crescimento para sua marca.

Se você concorda e quer se manter atualizado com o mundo dos negócios e marketing, faço o convite a assinar nossa newsletter abaixo. Você receberá nosso e-mail direto ao ponto com as últimas tendências e nossa opinião de especialistas sobre como elas impactam sua marca.

The post Facebook tenta contornar crise enquanto usuários confiam cada vez menos na empresa appeared first on Rock Content – BR.

Fonte do artigo:

Rock Content – BR

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Leia Também

Postagens relacionadas em nosso Blog sobre Design, SEO, Marketing e Tecnologia.