E-mail: rafael@turbineseusite.com.br   |   Telefone: (41) 99521-8611

Suporte 24/7

Metaverse do Zuckerberg? Nem tanto. Entenda o que realmente é esse universo e quais seus impactos em suas estratégias
16 de novembro de 2021

Como você provavelmente ficou sabendo, em outubro de 2021, um vazamento de documentos internos colocou o Facebook em uma grande crise, já que a empresa foi fortemente criticada pela forma como lida com tópicos complexos e impactantes.

Funcionários acusaram o Facebook de se preocupar apenas com sua imagem e lucro e fechar os olhos em relação a questões delicadas que estavam acontecendo na plataforma.

E então, do nada e no auge de toda essa bagunça, Mark Zuckerberg anunciou uma grande reformulação da marca do Facebook. A partir de agora, a empresa vai se chamar “Meta”. 

Em seu vídeo de lançamento, a Meta apresentou o “Metaverse”.

Enquanto aguardávamos respostas, o anúncio da reformulação da marca só trouxe mais perguntas:

Qual é o objetivo dessa mudança de marca? Zuckerberg é realmente o pioneiro em trazer o Metaverse para a Internet? 

A Meta poderia realmente ter um impacto enorme no futuro da Internet?

E, acima de tudo, como essa crise pode afetar a nós, profissionais de marketing e gestores que dependem das plataformas de Zuckerberg para gerar nossos próprios resultados?

Evite a bagunça e concentre-se no Metaverse

Embora ainda não esteja claro como a reformulação da marca realmente ajudaria os usuários com as questões levantadas no Facebook Papers, Zuckerberg estava determinado a construir uma imagem positiva e tecnológica em torno da nova marca.

O que sabemos até agora sobre a Meta: a nova marca estará mais intimamente ligada à inteligência artificial, realidade aumentada e realidade virtual, levando a outro nível de interação entre humanos e tecnologias sociais.

O rebrand chegou rapidamente: há um novo logo e ele já foi implementado nos aplicativos da Meta, incluindo o WhatsApp e Instagram. 

O Metaverse pode ser visto como a próxima geração de internet imersiva. Para a Meta, isso significa que a mudança também leva à evolução dos produtos, já que eles estão entrando em uma realidade totalmente nova. 

Com o Metaverse, os usuários podem entrar em um mundo virtual onde são capazes de criar avatares, conversar, encontrar amigos, comprar coisas virtuais com criptomoedas, e assim por diante.

Mas antes de falarmos sobre o que é esse Metaverse e se (ou como) isso afeta sua marca, vamos dar um passo para trás. 

O Metaverse é uma inovação criada em 2021?

A resposta é não: o Facebook não foi o primeiro a mesclar Inteligência Artificial (IA) e Realidade Aumentada/Realidade Virtual (RA/RV). 

Se olharmos para trás em nossas interações com as tecnologias disponíveis, IA, RA e RV foram lentamente inseridas em nosso dia a dia. 

Podemos começar falando sobre jogos e, em seguida, assistentes pessoais, como Siri ou Google Assistant. Também temos RA no Instagram, Google Search e muitas outras possibilidades. Existem também óculos de realidade virtual que estão sendo usados ​​em diferentes situações. 

O Facebook é a primeira empresa a explorar o Metaverse?

De novo, a resposta é não. O Metaverse é algo que já existia antes da Meta (Facebook). 

Em abril desse ano, a Epic Games anunciou uma rodada de financiamento de US$ 1 bilhão para apoiar a visão de longo prazo da Epic para o Metaverse.

E eles não são a única empresa que está no Metaverse há algum tempo.

Artur Sychov, o fundador do Somnium Space (um metaverse usado por mais de 1.000 pessoas diariamente), disse ao Global News que o Facebook parece estar aproveitando a oportunidade para se inserir em algo que já estava acontecendo. 

Essa poderia ser uma estratégia não apenas para se desviar dos eventos mais recentes, mas também para ganhar liderança de mercado desde o início, para que possam ser vistos como “pioneiros” no Metaverse. Mas eles não são.

A Meta é uma tentativa de deixar os problemas do Facebook para trás?

Quando a Meta foi anunciada, Zuckerberg não fez nenhuma referência aos problemas de imagem que a empresa estava enfrentando. 

Agora, parece que Meta (a empresa) parou de evitar a conversa e tomou algumas medidas, como anunciar planos para remover milhares de opções de segmentação de anúncios confidenciais e implementar telas de aviso para desencorajar postagens e comentários que poderiam ser percebidos como intimidação e assédio.

O que podemos dizer com certeza é que apenas o CEO terá a resposta definitiva para essa pergunta, e nunca saberemos quando ele está blefando. 

No entanto, o próprio Zuckerberg não pode negar o fato de que a empresa tem passado por grandes problemas organizacionais e operacionais.

As crescentes discussões em torno desses temas estavam prejudicando sua credibilidade em virtude da complexidade da situação. 

Eles desejam ser a primeira empresa do Metaverse. Eles estão tentando fazer isso não apenas mudando estratégias, mas adotando uma nova marca enquanto a empresa passa por uma das mais sérias crises de confiança. Isso não é uma coincidência.

E quanto aos usuários e redes sociais?

Em termos do futuro da tecnologia e das redes sociais, a Meta certamente pode liderar uma evolução. Isso é particularmente real quando se combina a tecnologia Metaverse que já foi desenvolvida por outras empresas ao longo dos anos com a poderosa influência que as plataformas de Zuckerberg ainda têm na sociedade.

Isso também pode ter um impacto em nosso marketing no futuro.

Quanto mais interações ocorrem em um mundo virtual, mais isso pode levar a mudanças sociais no futuro. 

As pessoas podem começar a passar mais tempo em outra realidade. Seus hábitos, comportamentos e consumos diários também podem ser afetados. 

Outro ponto é a presença cada vez maior de dispositivos inteligentes (IOT), como relógios e outros gadgets, que irão conectar a realidade com o virtual — e, ao mesmo tempo, coletar dados pessoais.

Está na hora de o profissional de marketing começar a pensar no Metaverse?

É bom estar ciente dessas mudanças, especialmente quando o diálogo gira em torno desses tópicos com frequência. 

Ainda é muito cedo para dizer quais mudanças o Metaverse (e as outras marcas de Zuckerberg) podem trazer e como os usuários e consumidores irão se comportar diante disso. 

Então, aqui estão alguns possíveis desafios para profissionais de marketing e gestores nos próximos anos:

A Meta promete oferecer um mundo totalmente novo de possibilidades virtuais, onde as pessoas podem agir exatamente como quiserem dentro desta nova realidade. Mas não se esqueça: ainda existimos fora dela. 

Mudanças no comportamento do consumidor sempre resultam em desafios para os profissionais de marketing (principalmente se pensarmos que os consumidores agora estarão presentes em duas realidades diferentes). 

Um novo canal significa uma nova possibilidade de aquisição de clientes, mas também requer novas métricas que, neste caso, também podem se traduzir em novos desafios. 

A criação de conteúdo para uma nova plataforma também é algo que pode mudar. Em vez de apenas postagens em blogs, ebooks e whitepapers, no mundo virtual estaremos fortemente conectados a experiências interativas, seja por meio de RA, RV ou qualquer outra fonte de interações online. 

Conteúdo interativo é algo sobre o qual já falamos há algum tempo, e você pode aprender mais aqui.

Como outras empresas estão reagindo?

O ex-CEO do Google, Eric Scmidt, expressou uma preocupação real sobre o uso crescente de IA em nossas vidas diárias no Business Insider. Suas preocupações não se referem apenas a questões de segurança, mas também sociais. Isso porque o mundo digital pode ser baseado em uma imagem perfeita que nem sempre é igual à realidade.  

Elon Musk é outra pessoa que afirmou não confiar muito na IA. Tanto que ele nem mesmo avalia muito sua confiança em IA para a Tesla.

No entanto, a Microsoft está dedicada ao Metaverse, mas de uma forma mais simples. Eles estão planejando lançar sua versão de um mundo virtual dentro do Teams Meetings em 2022, de acordo com o site The Verge

A ideia parece mais simples. As pessoas poderão ter reuniões mais interativas. Serão encontros onde será possível mergulhar em salas 3D com avatares que se expressam de acordo com a pessoa real.

Com a Microsoft entrando nessa nova era, podemos esperar que alguns outros players também possam aderir à tendência.

Saia da confusão e aposte em suas estratégias

Com todas essas atualizações em relação ao Facebook e à Meta, cabe a nós, profissionais de marketing e empresários, nos mantermos atualizados sobre as questões que podem impactar positivamente ou negativamente nossas marcas e aprender com toda essa situação. O que podemos concluir com isso é:

1. As redes sociais têm se mostrado repetidamente terrenos incertos para plantar as sementes da sua empresa.

Sim, ter um público engajado em qualquer rede social que sua persona goste de estar é uma ótima estratégia. No entanto, você precisa ter cuidado se sua marca depende totalmente (ou parcialmente) de plataformas da Meta (ou mesmo de outras plataformas sociais). 

Considere começar a construir um público em suas próprias plataformas, diversificando seu conteúdo e alcançando mais pessoas (aqui na Rock Content, temos vários conteúdos para ajudar você com isso!).

2. A tecnologia muda. E rápido.

Seja cedo ou tarde, seja propositalmente ou apenas por coincidência, o Metaverse foi lentamente inserido em nossas vidas diárias. Quer se trate de realidade aumentada para os sistemas de câmeras de nossos smartphones, ou dos óculos usados ​​por empresas para criar experiências imersivas, estamos imersos neste tipo de tecnologia. 

A Meta foi criada em um mercado ainda em desenvolvimento, mas sabemos que a tendência está aqui — e crescendo. Os profissionais de marketing de sucesso sabem ficar de olho nas tendências do mercado. 

Se precisar de ajuda para se atualizar com o mundo dos negócios e do marketing, convido você a se inscrever em nossa newsletter. Você receberá nossos e-mails diretamente com as últimas tendências e nossa opinião especializada sobre como elas impactam sua marca.

The post Metaverse do Zuckerberg? Nem tanto. Entenda o que realmente é esse universo e quais seus impactos em suas estratégias appeared first on Rock Content – BR.

Fonte do artigo:

Rock Content – BR

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Leia Também

Postagens relacionadas em nosso Blog sobre Design, SEO, Marketing e Tecnologia.